segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Tempos de Fuga

Não posso mais agüentar
Decidi fugir
Cansei-me de lutar
E com gente errada insistir

Não disfarço minha raiva
Tampouco minha tristeza
Máscaras que caíram com o peso
De quem hoje só merece meu desprezo

Um bom coração
Um perfil amigo
São minhas virtudes que valem a pena dizer

Como não gostar de mim?
Ou pior, como pude gostar deles?
São estas as perguntas que tento responder

Em alguns momentos, usar máscara é preciso
Mesmo que eu seja transparente
Nas alegrias e tristezas, um ser conciso
E numa reação alheia, jamais indiferente

Não me envergonho de fugir
E até poderia olhar para trás
Vendo o que abandonei
Sem me envergonhar jamais

Alguns podem mudar
E disso estou consciente
Mas as vezes precisamos correr do mundo
Para ver quem vai correr atrás da gente.


Reinaldo Vieira

6 comentários:

  1. Os dois últimos versos valem o poema todo! :) Muito bom mesmo, gostei!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do poema.
    Precisamos encontrar as pessoas erradas para aprender a reconhecer as certas.

    ResponderExcluir
  3. eu discordo com algumas coisas, mas o texto ta legal :D
    Acredito que não existe pessoas erradas e sim personalidades diferentes!

    ResponderExcluir
  4. Que bom começar o ano lendo um texto seu. Pena que você demore tanto pra atualizar isso daqui >.<


    Concordo com o 'Mulherices' aí em cima: 'Os dois últimos versos valem o poema todo! :), apesar de ter amado seu poema inteiro!


    Feliz 2010 e que suas metas sejam alcançadas :DD

    ResponderExcluir
  5. goostei muiito .(:
    inspirado? rsrsrs

    mas como ja disseram, os dois ultimos versos valeem de tudo!

    parabens.
    beeijos

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

"Legal o texto", "Post interessante", comentários negativos e coisas do tipo uma ova! Você é BEM mais inteligente que sei!